Baianos acreditam nos bons fluídos dos orixás.

29 de dezembro de 2012

O sincretismo dentro da população baiana é muito forte e quando chega ao final de cada ano aumenta sempre na esperança de coisas boas aconteçam no ano seguinte. Assim esta sendo neste final do ano de 2012, muito baianos de Salvador visitam o Dique do Tororó onde tem estatuas dos orixás dentro da água que foram projetados pelo artista Mario Cravo. Neste 31 de dezembro muitos chegam a depositar flores no dique, todos na esperança de que o ano novo será melhor do que o ano velho. Tomara que sim…

000_0013Orixás no Dique do Tororó em Salvador recebem oferendas para o ano novo. (Foto Agência AM)

Anúncios

Morre Dona Canô Veloso.

25 de dezembro de 2012

Dona Canô VelosoDona Canô Veloso aos 105 anos sempre mostrava disposição e força de vontade. (Foto Divulgação)

Dona Canô Veloso teve uma leve piora na noite de domingo (23.12.). Segundo informações de Mabel Veloso, filha da matriarca, ela estaria bem e não foi preciso ser levada de volta para Salvador. “Ela estava sendo acompanhada por profissionais em casa e seus médicos também estavam dando total assistência”, disse a filha. Mas ela teve uma piora na terça-feira (25.12.) e não resistiu vindo a falecer este blog recebeu um telefonema por volta das 9 horas da manhã de um amigo de Santo Amaro que estava passando o Natal com familiares ele é de Jequié informando da morte. Canô, que tem 105 anos, é mãe de  seis filhos, entre eles os cantores Caetano Veloso e Maria Bethânia e, de acordo com o jornal Correio, todos eles estão em Santo Amaro para acompanhar o estado de saúde da mãe quando receberam a triste noticia de sua morte. No início do mês, Dona Canô foi internada no Hospital São Rafael teve uma melhora e recebeu alta indo para sua terra natal onde veio a falecer.


E o Mundo vai acabar?

20 de dezembro de 2012

mundoO Globo terrestre esta firme e forte neste 21 de dezembro de 2012. (Foto Divulgação)

A euforia e a incerteza alimentadas pelo mito de uma suposta profecia maia sobre o fim do mundo nesta sexta-feira (21.12.) surgem de uma excessiva credulidade, ignorância, sensacionalismo e um desmedido afã por lucro, disseram especialistas consultados pela Agência Efe. “Estas versões apocalípticas derivam de uma ignorância, mas em algumas ocasiões também de um afã por um lucro desmedido do qual se aproveitam para escrever livros, fazer filmes ou outras formas de expressão”, comentou o arqueólogo Eduardo Matos. Por sua parte, Alfredo López Austin, um historiador especialista em religião mesoamericana e em povos indígenas do México, explicou que “se há um dado curioso do calendário maia é acrescentado o sensacionalismo, o mercantilismo dos meios de comunicação, um notável nível de ingenuidade generalizada e muita vontade de aceitar o inexplicável e o catastrófico, se forma um coquetel complexo”. Matos afirmou que o “pensamento religioso sempre se nutriu de fábulas ou mitos por meio dos quais se tenta explicar diversos fenômenos para os quais o homem, em sua ignorância, não tem resposta”. Muitas pessoas interpretaram que a mudança de uma era que começou no ano 3.114 antes de Cristo em um ciclo do calendário maia significa uma “profecia” sobre o fim do mundo; no entanto, esta ideia é “completamente alheia e estranha ao pensamento maia antigo”, declarou o arqueólogo. Este mito, detalhou, “só pode ser compreendido no marco de nossa própria concepção apocalíptica ocidental, de nossos próprios temores e superstições, assim como de ideologias ecléticas pós-modernas que não carecem de interesses de lucro comercial”. López Austin, por sua parte, assinalou que a maioria das pessoas admira os maias como uma civilização notável, mas “ignoram sua história e boa parte de seu pensamento”.


Obras da ferrovia podem retornar em janeiro de 2013.

18 de dezembro de 2012

Obras da Ferrovia -passando pela estradaAs obras da ferrovia no trecho em Jequié foram suspensas.(Foto Agência AM).

Valenc - Superitendente GeralO canteiro de obras instalado no Distrito Industrial de Jequié parou. (Foto Agência AM).

Uma informação passada por leitores deste blog que ouviram no programa de radio A Voz do Brasil de segunda-feira (17.12.). Informando que as obras que estavam paradas em virtude das recomendações da Controladoria Geral da União-CGU e do Ministério Público Federal quanto a problemas surgidos durante a execução das obras a exemplo da ferrovia Oeste/Leste que parou a mais de dois meses. Deverão ser retomadas a partir do mês de janeiro de 2013, não foi informado se na primeira ou segunda quinzena, foi informado também que as empresas já estariam se mobilizando para reiniciar os trabalhos apenas a OAS não deverá continuar no consorcio. Informação que já foi dada em primeira mão aqui neste blog mais que ainda deve ser confirmado.


EXCLUSIVO: LUIZ GONZAGA: 100 anos do seu nascimento.

13 de dezembro de 2012

Luis Gonzaga

Luiz Gonzaga o Rei do Baião esteve em Jequié nos anos 50. (Foto Produção)

Carros do Mato Grosso do Sul, Tocantins, Piauí, Ceará, Maranhão, Goiás, São Paulo, Espírito Santo e vários outros cantos do Brasil se dirigiram, na manhã de quinta-feira (13.12.), para uma fazenda emblemática em Exu, no Sertão de Pernambuco, a Araripe. É que ela ainda guarda construções que marcaram a vida de Luiz Gonzaga, como casas nas quais viveram os pais Januário e Santana, a Igreja de São João Batista, a residência do Barão de Exu. Um monumento ainda mostra o local onde nasceu a criança que se tornaria o Rei do Baião, há exatos cem anos. A Fazenda Araripe fica a 12 quilômetros de Exu. Uma estradinha de areia e cascalho, envolta de caatinga seca, distante 800 metros da entrada do terreno, leva ao local onde Luiz Gonzaga nasceu, no dia 13 de dezembro de 1912. Era dia de Santa Luzia, mês do Natal, nascimento de Jesus. Daí a explicação do nome escolhido para o caboclinho, Luiz Gonzaga do Nascimento, segundo filho do sanfoneiro Januário e da agricultora Santana. O padre que batizou o menino sugeriu chamá-lo de Luiz por ter nascido no dia de Santa Luzia; Gonzaga porque o nome completo de São Luiz era Luiz Gonzaga; e nascimento, porque dezembro é o mês do nascimento de Jesus.

EM JEQUIÉ

Não existem dados concretos de quantas vezes Luiz Gonzaga já consagrado o Rei do Baião esteve em Jequié. Mais o jornalista Ari Moura tem na lembrança e sua tia Eulália Machado da Nóbrega hoje com 94 anos que estava em Jequié na época afirma que foi Manoel Moura pai do jornalista proprietário da Casas dos Retalhos estabelecido na época á Rua Damião Vieira em Jequié quem trouxe Gonzagão a primeira vez a Jequié para uma apresentação na Praça Rui Barbosa no Colarinho numa promoção da loja. O radialista Geraldo Teixeira em vida comprovou esta informação numa entrevista a Ari Moura assim como o Sr. Alfredo Delsarto quando estava vivo. Em maio de 1951 Luiz Gonzaga sofre um grave acidente de carro, junto com seus músicos: João André Gomes, apelidado Catamilho, do zabumba, e Zequinha, do triângulo, o que motivou a composição Baião da Penha e uma reportagem especial na revista O Cruzeiro. Ele chegou a Jequié um mês depois deste acidente.


Faça um passeio por dez praias paradisíacas da Bahia

10 de dezembro de 2012

Maior costa do Brasil, com um litoral de 1,1 mil quilômetros de extensão, a Bahia é um dos principais destinos do país em matéria de sol e mar, com opções para todos os gostos, onde há desde locais mais reservados e rústicos a praias badaladas e com muita agitação. O estado tem mais de uma centena de ilhas de variados tamanhos nas baías de Camamu e de Todos-os-Santos. Além disso, abriga praias com enseadas, piscinas naturais e mar aberto nas regiões norte e sul, como a badalada Trancoso, em Porto Seguro, que reúne em seu entorno as praias do Espelho e Caraíva; a Costa das Baleias, com Cumuruxatiba; a Costa do Cacau, com Itacaré, e a Costa dos Coqueiros com Mangue Seco e Praia do Forte. Na capital Salvador, o Porto da Barra ostenta a fama de ser uma das praias urbanas mais belas do mundo. Já na Costa do Dendê, há lugares de beleza singular como as ilhas da Península de Maraú e as belas praias de Cairu como a da Gamboa, em Morro de São Paulo, e a da Cueira, na Ilha de Boipeba.

praia1 praia2 praia3Praias do litoral baiano são as mais bonitas do Brasil. (Foto Produção)


‘Papai Noel’ dorme na rua e pede esmolas na Paraíba.

8 de dezembro de 2012

Papai Noel“Papai Noel” pede ajuda as pessoas que passam pela calçada. (Foto Produção)

Nesta semana a cidade de Patos, no Alto Sertão da Paraíba (a 294 quilômetros de João Pessoa), registrou a chegada de um Papai Noel diferente. Magro, sem a risada característica e desdentado, o ‘Papai Noel’ sentado na calçada de uma rua da cidade não desperta o interesse das crianças; pouco chama a atenção de adultos.  Isaac Bezerra da Silva, 64 anos, tem uma barba branca e natural. Alcoólatra declarado, o andarilho pede esmolas e confessa que perdeu mulher e filhos por conta do vício. Mesmo assim, não demonstra nostalgia ou arrependimentos. Em Patos, ele já desceu do ônibus vestido de Papai Noel, composto por uma camisa vermelha de mangas longas (mesmo debaixo de um calor que passa dos 35 graus centígrados) e não deixa de lado o gorro da mesma cor. O andarilho tem uma aparência bem mais velha do que a idade que diz ter. Usa dois anéis na mão direita. Tem outro na mão direita e ostenta uma pulseira. Garante que são ornamentos de ouro. Não se incomoda de dormir na rua, mesmo exibindo no corpo as picadas dos insetos que lhe fazem companhia à noite. Ele diz que vive de favores e o dinheiro que arrecada como pedinte serve para custear suas andanças. Andarilho, ele garante que já andou por 25 estados brasileiros, percorreu quase toda a fronteira do Uruguai e, antes de chegar a Patos, sua última parada havia sido a cidade de Erechim (RS). Nessa cidade ele foi abordado por funcionários da Secretaria de Assistência Social que o conduziram para um albergue, deram banho, roupas e verificaram sinais vitais. Depois os funcionários o reencaminharam para o Terminal Rodoviário da cidade, o colocaram dentro de um ônibus com todas as despesas pagas para sua cidade natal (Bezerros, em Pernambuco). Dono de suas vontades, Isaac desviou o caminho e foi parar em Patos, no interior paraibano. Já planeja ir para outra cidade e não quer abandonar a roupa de Papai Noel. “Vou para onde o dinheiro der. Vivo de favores e assim sigo meus dias”, avisa o andarilho.